O limbo que não existe entre corpos magros e gordos

14 de Maio, por Mariana Rodrigues

Já assisti vídeos e posts sobre mulheres que “não são nem gordas nem magras” sem me incomodar, mas de uns tempos pra cá vi que o discurso ficou extremamente banalizado devido à carga excessiva de pressão estética em cima do corpo feminino. Vejo amigas sofrendo por não se encaixarem entre as magras e nem entre as gordas, e que começaram a acreditar num limbo abissal que simplesmente não existe.

Biologicamente, o corpo humano é dividido entre três biótipos corporais principais:

Ectomorfo – aquele com dificuldade em ganhar peso, sendo massa muscular ou gordura. Possui estrutura óssea estreita;

Mesomorfo – aquele que tem facilidade para ganhar ou perder peso. Cientificamente é considerado o biótipo com estrutura óssea ideal;

Endomorfo – aquele que possui muita facilidade em ganhar peso. Possui estrutura óssea larga.

Quando falamos socialmente, o buraco é mais embaixo. Por vivência e observação, não consigo acreditar em um limbo existente entre uma mulher magra e uma gorda. Existem, sim dentro destas duas categorias, diversidade de corpos:

Magras e gordas musculosas;
Magras e gordas curvilíneas;
Magras e gordas atléticas.

Magras podem ter braço gordo, podem ter perna grossa, bunda flácida. Gordas podem ter braços finos, rosto fino, coxas torneadas.

“Magras são as modelos da SPFW”
“Gordas são as modelos Plus Size””

Lamento dizer, mas a maioria dos catálogos de moda Plus Size é formada por mulheres magras curvilíneas. Modelos vestindo manequim 44 anunciando peças que vão até o tamanho 58. Por estarem algumas vezes inseridas em marcas de moda Plus Size,  muitas reivindicam o “direito de ser gorda”, como se fosse algo super prazeroso na nossa sociedade gordofóbica.

“Ai, Mari, mas como eu vou saber se sou gorda ou não?”

Repara nas suas idas ao médico, se qualquer queixa sua vai ser relacionada ao seu peso pelo profissional. Repara na dificuldade em achar roupas – de uma maneira geral, não só na Antix ou Dress To. Repara na catraca do ônibus, se parece estar cada dia mais estreita, e se é corriqueira a necessidade de extensor para poltronas quando você viaja de avião. E se pessoas aleatórias olham pra você e se acham no direito de falar sobre a sua saúde. Repara os olhares de nojo na praia ou no clube quando você veste um biquíni.

O fato de fazerem uma mulher magra acreditar que ela é uma “não-magra”, ou que ela está inserida em um abismo entre o corpo magro e o gordo é a essência da pressão estética. Ter algumas partes do corpo mais grossas não significa ser gorda. Não entrar em um vestido tamanho G da Maria Filó não significa ser gorda. Ter aquela tia chata falando pra você fazer dieta não te faz gorda. Te faz vítima de pressão estética, algo que toda mulher sofre, da Paolla Oliveira à Tess Holliday, passando pela Gracyanne Barbosa. A pressão estética tá longe de ser algo pequeno e precisa sim ser combatida, mas é preciso entender que, se você usufrui privilégios de ser magra (como não passar pelas situações que eu expliquei no parágrafo anterior), você sabe onde se encaixa.

 

Gostou do post ou quer discutir melhor todas essas questões acerca do corpo feminino? Vamos bater papo nas minhas redes sociais? ——> Instagram – FacebookPinterest

2
Comentários

“Ele te ama pelo que você é, não pela sua aparência”

15 de Fevereiro, por Mariana Rodrigues

É verdade que ele me ama pelo que eu sou. É que pra ele eu sou a mulher mais brilhante e espetacular do mundo. Várias vezes consigo notar o brilho no olhar dele quando a gente conversa sobre os mais diversos assuntos, que vão da nova temporada de ‘Fuller House’ ao abandono de animais. Fico feliz quando estou checando meu look no espelho e o vejo no reflexo sorrindo bobo, me admirando.

Mas ora, quando ele me conheceu, sabia muito pouco sobre mim. Temos alguns anos juntos, mas me derreto quando ele diz que desde a primeira troca de olhares, quis saber mais e mais sobre mim. Ele lembra até hoje a roupa que eu usava na noite em que nos conhecemos, as bebidas que eu tomei e cada passo que eu dei. Certamente gostou do que viu, e nossa aproximação e convivência fez com que virássemos um casal parceiro, que se ama também pela aparência, mas não só por ela.

Pra algumas pessoas é inadmissível um homem dentro dos padrões se relacionar com uma mulher que esteja fora deles – porque fomos acostumadas a admirar ‘barriga de chopp’, enquanto eles nos exigem uma ‘barriga tanquinho’. Já contei em outro post sobre os olhares de incredulidade que recebo sempre que vou à praia com Diego. Na marra aprendi a ignorar. Nosso único interesse é cuidar do relacionamento, para que sigamos admirando um ao outro de maneira integral.

É óbvio que ele me ama pelo que eu sou, e a minha aparência é parte disso. Minhas dobrinhas nas costas, meus pés pequenos e meu cabelo que sofreu um corte químico o encantam tanto quanto as características que moldam a minha personalidade.

Porque bom mesmo é ser amada por inteiro.

Você também já viveu algo assim, amor por inteiro? Me acompanha nas redes e comenta por lá!—> Instagram – FacebookPinterest

0
Nenhum comentário